Como acessar nossa criança interna?

 

 

Cuidado e delicadeza foram as chaves para exploração no 4º Bloco do Treinamento Matrix Hakomi no Brasil, cujo tema principal foi o que em Hakomi chamamos de “O Estado da Criança”, um dos estados de consciência que lidamos durante o processo terapêutico.

Neste módulo aprendemos as características deste estado, como acessá-lo e facilitar seu processamento.

O objetivo do trabalho com a criança interna é estudar e integrar experiências traumáticas/mobilizadoras da infância, com o apoio da consciência do adulto.  Nesse bloco, aprendemos sobre como o terapeuta atua como um Estranho Mágico, método pelo qual buscamos acessar a criança por meio de recursos que garantam a ela a segurança e tudo o que for necessário para se expôr. A tarefa do Estranho Mágico consiste em, num primeiro momento, sentir o que está acontecendo. Neste post traremos algumas dicas e reflexões sobre como acessar, cuidar e integrar nossas crianças internas.

Acessar

“Se você observar as pessoas no metrô, em restaurantes, em qualquer lugar que elas estejam sentadas em silêncio, sem nada para fazer, você pode ver a criança lá. Velhos amigos quando eles se encontram são como crianças pequenas. A criança é muito mais parte de nós, mais perto da superfície do que a maioria das pessoas imagina. ‘A criança não é algo a superar, é um canal ao longo da vida para o nosso espírito.’ Jon Eisman disse isso.”(1)

Phases Series – 7th Edition (Responsability II)

Phases Series 3rd Edition (Mood Swings)

Phases Series 3rd Edition (Mood Swings)

O corpo é um mapa a ser observado, um caminho para encontrar e perceber o que se passa com os estados emocionais da criança interna, e um primeiro passo para trabalhar com a criança é contactá-la.

Como a corporeidade dá a ver os estados interiores da criança? Sua voz (timbre, entoação), seus movimentos (inclina-se para frente? encolhe-se?),  suas expressões faciais (triste? alegre? assustada?).  Que pistas são possíveis apreender a partir de uma observação atenta? Quando não temos clareza do que se passa, o caminho de ir para o corpo é potente! Sempre de forma delicada e não intrusiva. A partir disso, entramos em contato com a criança, nos adequando à sua realidade. Ou seja, mudando o tom de voz, o jeito de falar e usando frases simples e compreensíveis.

Cuidar

Depois de termos acessado a criança, o que vamos fazer com ela?

Nós gostaríamos de falar com a criança e mostrar que a entendemos, ajudá-la a compreender o que está acontecendo em seu mundo ou qualquer coisa que seja necessária para ela naquele momento.

 

As mãos da criança precisam de apoio, de calor? A criança precisa de espaço, demanda proximidade? Precisa falar? Precisa ter confirmados e acolhidos seus medos? Precisa ser validada, ser vista!

Só seja como um adulto compassivo e ofereça o que ela precisa.

Integrar

Como neste estado a criança que ele era e o adulto que ele é estão presentes ao mesmo tempo, temos a oportunidade de realizar uma integração entre essas partes.

Apenas por estar lá com a criança, conversando com ela e segurando-a e explicando as coisas, por ser cuidadoso e preocupado e paciente, apenas fazendo isso, você altera a forma como a criança se sente sobre si mesma e sobre o mundo. E, ao fazer isso, você muda o adulto também. (2)

Um exercício para cuidar da sua criança interna¹

Podemos ter 4 tipos de crianças: a ferida, a adaptada, a exilada e a natural.

Já conhecemos bem a “criança ferida”. Essa criança foi machucada e teve medo e sofreu.

A “criança adaptada” foi uma criança resiliente, que conseguiu achar saídas para as suas dores e assim sofrer menos.

A “criança exilada” foi uma criança sozinha, que precisou se separar emocionalmente do meio que a cercava para sobreviver.

A “criança natural” foi a criança alegre, que brincava, sem medos e teve recursos amorosos.

Quer se reconectar com a sua criança interior? Pare por 2 minutos, preste atenção na sua respiração, e pense em você com 6-8 anos. Qual dessas crianças está chamando a sua atenção? Acolha essa criança, diga pra ela que você vai dar segurança e amor. Faça amizade com essa criança e convide-a para ficar com você hoje. Faça alguma coisa com a sua criança interior que mais necessita da sua atenção. Algumas dicas:

  • Lembre-se dos melhores acontecimentos da infância e se possível conte para alguém
  • Reveja fotos do seu passado. Isso vai lhe arrancar boas risadas.😀😀
  • Procure assistir filmes que você era apaixonado na infância;
  • Relembre os brinquedos, livros ou gibis que você gostava. Será que você ainda tem algum item?
  • Relembre as suas brincadeiras favoritas;
  • Que tal comer o doce preferido da sua infância hoje?

Deixe que o bom humor e a leveza tomem conta do seu dia. Cada criança interior que você tem (sofrida, adaptada, exilada ou natural) foi importante e contribuiu para o que você é hoje! Honre-as!😀

E você? De qual dessas crianças você vai cuidar hoje?

¹Fonte: Instagram Jardim Consciente

Trilha Sonora: https://www.youtube.com/watch?v=2mJ4hnb08f8


Esse post foi construído sob muitas colaborações, diretas ou indiretas,  de participantes do Treinamento Matrix-Hakomi Brasil. As fotos cedidas, o exercício retirado da página Jardim Consciente que pertence à querida Neusa Tamaio, e a música de Dona Ivone Lara, cantada e tocada por Elaine no último dia desse bloco.


(1) Kurtz, Ron (1990, p. 94.) Body‑centered Psychotherapy: The Hakomi Method – Tradução não-oficial

(2) Kurtz, Ron (1990, p. 92.) Body‑centered Psychotherapy: The Hakomi Method – Tradução não-oficial

Fotografias: Fotógrafo Prince-Gyasi

Vídeo: DJ Underdog